As Animadas Tertúlias de Um Homem Inquieto

Entre as deambulações solitárias e a relação com a alteridade este romance leva-nos ao cerne das questões contemporâneas que inquietam um espírito vivo como o do personagem principal “Filó”. Um reflexão profunda entre o questionamento solitário das rotinas que temos enraízadas no espírito e a relação com a comunidade, sozinho ou acompanhado por aqueles com quem partilha a vida. A verdade desassossega, mas por vezes a sua busca pode ser ainda mais inquietante. Em torno da mesa do café, ou  na associação "Estrela Vermelha", sempre rodeado dos mais próximos, Filó procura as cogitações que podem voltar a instalar a quietude na sua alma. Da solidão máxima da introspecção do seu ego, esta é uma rica demanda que não deixará ninguém indiferente. Mas não nos apressemos a levantar o véu sobre as "inquietações" que serão objecto desta narrativa.

COMENTÁRIOS AO LIVRO

"Achei que este livro foi escrito um pouco ao estilo patchwork, ou, para não usar estrangeirismos , tipo manta de retalhos. Faz lembrar o caderno de apontamentos que a personagem principal trazia sempre consigo, no qual tomava todo o tipo de apontamentos, desde pensamentos que recolhia em livros que lia, a notas das suas sessões com a psiquiatra que consultava, ou os poemas que escrevia.
Tem uma pequena história de fundo que enquadra toda a trama e, expurgada do que poderíamos chamar "palha", se contava em meia dúzia de páginas. Os espaços são preenchidos com o mais variado tipo de assuntos, como comentários à situação política do país, dezenas e dezenas de ditados populares, citações de pensadores e autores célebres, poesias que o autor põe na boca ou na pena da personagem principal, o Filó e até anedotas. Tudo acontece em três cenários diferentes: a esplanada da pastelaria do Zé do Café, onde Filó faz as suas perorações e mostra a sua elevada cultura aos embasbacados frequentadores daquele espaço, a Associação Estrela Vermelha, onde decorrem as tertúlias de poesia e as récitas teatrais, e a biblioteca, onde trabalha a "insossa" da Liza que acaba por ter um papel inesperado na história.
A propósito e a despropósito, o autor insere na boca das personagens dissertações sobre os mais variados temas, como as teorias de Freud ou de Einstein, complicadas exposições sobre física nuclear ou a leucotomia pré-frontal de Egas Moniz, referências a livros como 2012 - O Segredo das Profecias Maias, A Profecia Celestina, O Diário de Anne Frank ou obras de Osho, Deepak Choppra ou Daniel Goleman.
O reduzido número de cenários e a sua estaticidade fazem lembrar uma peça de teatro. Aliás, parece-me que esta história ficaria muito mais bem contada numa comédia em três ou quatro atos.
De qualquer modo, estamos perante um livro de crítica social, que dispõe bem e deixa um sorriso nos lábios a quem o lê." - ver em http://www.segredodoslivros.com/sugestoes-de-leitura/as-animadas-tertulias-de-um-homem-inquieto.html

Sebastião Barata (crítico literário)

 

 

"Faz lembrar a escrita neorrealista, mas é mais profunda (…) e abundam as reflexões duma forma subtil e quase sem nos apercebermos. Além disso tem pitadas de humor que tornem o estilo leve e quase jornalístico. Parece-me ainda que o romance é um belo exemplo de pedagogia que envolve o leitor para pensamentos de grandes autores que são instrutivos e são um belo escape para a vida. (…) Nesta personagem [coletiva] há um lado telúrico e afetivo que, apesar de tudo, reage ao desespero dos dias e procura através da leitura, da pintura, da música e da relação interpessoal, ser solidária e acreditar no futuro. " 

Manuel Cardoso Catarino

 

"(…) [Tem como] mensagem principal: energias negativas/ energias positivas/ terapias de grupo, num cenário depressivo na nossa sociedade atual, é de extrema importância no momento presente. Os conflitos de natureza psíquica, uns, social e cultural, outros, (recalcamento de medos, necessidade de reconhecimento, indispensável ao estabelecimento de equilíbrios para alcançar um estatuto, os silêncios como seu instrumento, ou a necessidade de viver em plenitude, desvalorizando problemas de saúde (energias positivas) como acontece com a Luísa, personagem bem conseguida, por ser o motor de transformação e a executora dessas terapias. Outros personagens movem-se de harmonia com o seu quadro sócio/profissional, (…) o Filó parece saber utilizar bem os ensinamentos de [Daniel] Goleman. (…) A terapia na esplanada, nos ensaios de teatro, na Associação, garante um desfecho conseguido."

Manuel Leal

 

"Tema bastante atual (…) sendo a história do Filó e dos amigos a nossa história (…) Como leitora, quando gosto muito de um livro, não quero que ele acabe. Isto é um ponto a favor [deste livro]."

Jovita Capitão

 

"Resplandece uma linguagem clara, concisa subjacente a uma densidade psicológica muito profunda... diria que é uma escrita com alma e, sobretudo, muito ligada ao nosso quotidiano (…)."
Elisete Afonso

 

"Parece-me uma história bem construída assente em personalidades com problemas mais ou menos complexos (…)."
António Campos

 

"O leitor fica agarrado (…) com o diálogo feito de uma forma realista, que parece que estamos à mesa a tomar o café com o Filó, (…) a amizade, confiança e intimidade que tem com [os amigos e] outras personagens (…) com os seus hábitos, gostos, dramas, estados de espírito, filosofias [de vida], análises, etc. É o mesmo que estar no café da esquina com os amigos habituais, [falando de diversos] temas e com as “pancadas” que cada um tem de acordo com as suas vivências. Muito bem escrito."

Maria Manuel Pires

 

"Um livro de fácil leitura (…) Adorei-o assim como às piadas de paquera que você arrumou."

Cida Vasconcellos

 

PUBLICAÇÕES

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
PUBLICAÇÕES DE POESIA, CONTOS
E CRÓNICAS NO BLOGUE